Icterícia e Teste da Orelhinha

A ICTERÍCIA

Já tinha ouvido falar da Icterícia, também conhecida por "Amarelão", mas não sabia muito bem o que era.

Até que após alguns dias de nascida comecei a perceber que o corpinho da Emily estava levemente amarelado. Comentei com várias pessoas, mas todos me respondiam que era imaginação minha. Os dias foram passando e ela foi ficando cada vez mais amarelinha, até o branco dos olhos estava amarelado.

Até que uma semana depois do parto tivemos retorno no pediatra, e ele confirmou o que eu já desconfiava, que ela estava com icterícia.

Ele me explicou que icterícia é quando a bilirrubina (uma substância do sangue) fica acumulada na corrente sanguínea do bebê e acaba impregnando-se na pele, mucosas e branco dos olhos. Quando o bebê tem icterícia ele sente muito, muito sono, e por isso não mama direito. Não mamando direito ele fez menos cocô. Fazendo menos cocô ele não elimina a bilirrubina, aumentando a icterícia. É um ciclo vicioso.

O doutor pediu pra fazermos um exame de sangue no laboratório, para onde fomos logo que saímos do consultório.

Fazer o exame de sangue foi bem difícil. Por ter só uma semana de idade, as veias dela eram muito fininhas, e foi preciso várias tentativas nos dois bracinhos para conseguir tirar o sangue. Uma dózinha, chorei muito vendo ela sofrer daquele jeito.

O pediatra disse que qualquer resultado acima de 15 seria necessário internar para fazer fototerapia. O exame dela deu 22. Internamos na mesma noite.

Pra quem não sabe (eu também não sabia), fototerapia é o banho de luz.

O bebê precisa ficar sem roupa, só de fralda, e é colocado numa incubadora. E usa um óculos especial pra proteger os olhos da luz intensa.



A recomendação é que o bebê fique o máximo de tempo ali dentro, só saindo pra mamar e  trocar a fralda. Se ele chorar não podemos nem pegá-lo no colo pra acalmá-lo.

Quando coloquei a Emily na incubadora, a enfermeira me disse pra me preparar, porque os bebês sempre choram demais. Mas na verdade ela não chorou quase nada, aliás, ficou bem relaxada, parecendo sentir aquela moleza gostosa que sentimos quando estamos tomando sol na praia. rs.

Apesar de não ser um tratamento sério, não é fácil para os pais, pois ficam cerca de dois dias sem o bebê em casa, e vê-lo com a cabecinha enfaixada (na Emily enfaixaram a cabecinha para o óculos não sair do lugar) é bem triste.

Ela foi internada na terça às 22h, na quinta às 06h repetiram o exame de sangue e o resultado foi 12. Abaixou bastante, e a cor dela estava completamente diferente, estava bem branquinha. Só quando ela clareou foi que pudemos perceber o quanto ela estava amarela.

Nessa mesma manhã ela ganhou alta e fomos pra casa, com a recomendação de dar banho de sol diariamente, de 15 a 20 minutos antes das 10h da manhã. (Já dávamos o banho de sol antes da icterícia, mas ela teve mesmo assim).

A icterícia é muito comum, em mais de 50% dos bebês recém-nascidos a termo (após 38 semanas de gestação) e em 80% dos prematuros. Mas a maioria não necessita de tratamento, e somente banhos de sol resolvem o problema.  


O TESTE DA ORELHINHA

O teste da orelhinha é feito nos primeiros dias de vida para detectar problemas de audição. A Emily fez ainda na maternidade, no dia seguinte ao nascimento. Mas como ainda havia água do parto no ouvidinho foi necessário repetir o teste um mês depois.

Quando fui ontem fazer o reteste e contei para a médica que ela tinha tido icterícia e precisou fazer fototerapia, ela me perguntou quanto tinha sido o nível de bilirrubina dela.

Quando falei, ela me disse que níveis acima de 18 são preocupantes pois podem causar surdez no bebê.

Fizemos o teste da orelhinha, que consiste em um aparelho que emite um som no ouvido do nenezinho, e se estiver tudo bem internamente o som volta em forma de eco para o aparelho, que mede a intensidade do retorno.

O resultado do teste dela foi excelente, mas a médica me pediu para observar o desenvolvimento auditivo dela e refazer o teste com 6 meses de idade, só pra garantir.

Eu nem sonhava que a icterícia pudesse ter relação com o teste da orelhinha. Vocês sabiam?

Babá eletrônica

Quando estávamos preparando o enxoval da Emily, decidimos que havia algumas coisas que não compraríamos até que ela nascesse e víssemos que fazia realmente falta.

Um exemplo disso é a babá eletrônica. Como o quartinho dela fica ao lado do nosso, pensamos que ouviríamos se ela chorasse e talvez não precisássemos do aparelho.

Realmente, sempre que ela chorava nós ouvíamos eu ouvia, contanto que ambas as portas ficassem abertas. E isso ocasionava dois pequenos problemas.

1. Fazia e ainda faz bastante calor, e precisamos deixar os aparelhos de ar condicionado sempre ligados.  Com as portas abertas os quartos não gelavam muito e desperdiçava muita energia.

2. Eu não conseguia dormir quase nada à noite, porque depois de ver muitos filmes de terror, a porta do nosso quarto aberta me dava sempre a impressão de estar desprotegida e que alguém ou alguma coisa estava me observando. Bobeira, né? Mas eu não conseguia dormir à noite de jeito nenhum.

Foi quando decidimos comprar uma babá eletrônica para que pudéssemos encostar as portas, e ouvir a bebê se ela chorasse.

Começamos então a pesquisar modelos online, e ficamos num dilema: comprávamos somente com som ou com som e vídeo?

Se pensarmos somente na necessidade desse momento, quando ela tem somente 1 mês de idade e praticamente não se mexe no berço, somente o som já estaria ótimo. Mas pensando que em pouco tempo ela vai estar rolando e até levantando do berço, a imagem faz-se bem útil.

Decidimos então pelo modelo com som e imagem, pra não precisar comprar outro aparelho depois e gastar duas vezes.

Pesquisamos muito na internet atrás de um modelo bom e não muito caro, e encontramos várias recomendações sobre esse modelo:
























Hestia H100

O monitor (à esquerda) fica com os pais, e a câmera (à direita) fica no berço, ou onde quer que o bebê esteja.

O monitor envia uma imagem bem nítida, que é colorida durante o dia ou quando há bastante claridade e preto e branco durante a noite ou no escuro, pois utiliza infra-vermelho.

Vejam as imagens reais que fotografei da Emily:




















O som é ótimo, escutamos qualquer resmungadinha que ela dá. O volume é regulável. Recomendo que você não deixe no máximo, pois se o bebê começar a chorar bem alto de madrugada você vai levar um susto.

A câmera tem altura e posicionamento também reguláveis. Quando o bebê é novinho pode ser colocada dentro do berço, e quando ele crescer pode ser pregada à parede ou à lateral do berço.

Uma vantagem muito grande é que não funciona a pilhas ou a baterias, é ligada na energia (tanto o monitor quanto a câmera). Isso era algo imprescindível pra nós.

O alcance é de até 250 metros (segundo a caixa).

Disponível nas cores rosa ou azul.

O preço foi bem em conta: U$ 69 na loja Tudo Livre, no Paraguai, ao lado da Monalisa. Eles vendem outros modelos, inclusive de marcas bem conhecidas, mas achamos esse o melhor custo-benefício.


Parto: o que esperar de uma cesárea

AVISO: SE VOCÊ PRETENDE FAZER UMA CESÁREA E PREFERE NÃO SABER DETALHES, RECOMENDO QUE NÃO LEIA O POST ABAIXO. 
...................................................................................................................................................................

Sempre fui medrosa pra dor. Sempre. Então parto normal não era uma opção pra mim.

Sim, eu sei que a recuperação do parto normal é supostamente mais fácil e rápida, que é algo que as mulheres fazem há milhares de anos e que o corpo foi feito pra isso, que é melhor para o bebê e blá blá blá. 

Mas eu não queria e pronto. Acredito que essa seja uma decisão que cabe à mãe, e somente à mãe. O marido pode opinar, a avó pode opinar. Mas quem vai precisar passar por aquilo é a mãe, então não tem o que discutir. 

Muita gente, mas muita gente mesmo, me pergunta se fiz parto normal ou cesárea, e quando respondo que foi cesárea recebo um  olhar de desaprovação: "Mas por que? Não deu pra fazer normal?"

Hellooo, século 21 minha gente! Hoje em dia a mulher, pelo menos no Brasil (com plano de saúde ou pagando particular), pode escolher como quer trazer seu filho ao mundo.  E eu escolhi a maneira que achei que seria melhor pra mim. Se fosse melhor pra mim consequentemente seria melhor para o meu bebê. 

Depois de tomada a decisão, vinha o medo de como seria. Primeiro e maior do que tudo era o medo da anestesia. De doer muito, de não pegar e eu sentir eles abrindo minha barriga. Depois vinha o medo da cirurgia em si, porque qualquer cirurgia sempre tem riscos, por menor que sejam. Eu tinha medo de algo dar errado comigo, ou pior, com a Emily, durante a cirurgia. Tinha medo de me furarem toda hora para dar os remédios na veia. Medo do risco de infecção na maternidade para nós duas. Medo da recuperação, da dor no corte. Medo de estar tão mal que não conseguiria cuidar dela. E até medo dos curativos e de tirar os pontos. 

Procurei depoimentos de mamães que passaram por esse tipo de parto, pra descobrir o que me esperava, mas não encontrei nada desse tipo. As mamãezinhas só diziam como foi lindo e o momento mais emocionante de suas vidas. Claro, isso eu já sabia, estava precisando é de um pouco mais de detalhes. 

Algumas pessoas podem achar que sou maluca por querer saber, que é melhor não sofrer por antecipação e só descobrir as dificuldades na hora. Mas eu não sou assim. Gosto de saber o que vou enfrentar. Prefiro mil vezes me preparar para algo difícil, e se na hora não for tão difícil assim melhor pra mim. O que me tira o chão é quando vou fazer algo esperando que vai ser super tranquilo e descubro na hora que não é. Bom, cada um é cada um, e eu prefiro saber. 

Por isso decidi compartilhar a minha experiência com vocês. Eu sei que é a MINHA experiência, e é claro que varia de mulher pra mulher.


























ANTES DO PARTO

O médico receita que você comece a tomar um remédio para descida do leite 15 dias antes do parto, e um para gases 3 dias antes.

É recomendado que você não se depile no mês que antecede a cirurgia, eles preferem depilar no hospital para evitar infecções que pequenos cortes podem causar. Eu obedeci essa regra, e quando me internei foi a primeira coisa que as enfermeiras fizeram. Mas achei que depilariam tudo, e na verdade é só aquela pequena região superior da virilha onde será feita a incisão.

Depois pegarão sua veia para a aplicação dos remédios durante a cirurgia e também na recuperação. No meu caso a enfermeira perguntou se eu preferia na mão ou no braço, e recomendou o braço por facilitar para eu cuidar do bebê. Se você é como eu pode ficar tranquila, pois só furam a gente dessa vez, todos os medicamentos serão aplicados por ali depois. Outra coisa que vale a pena mencionar é que eu achei que precisaria ficar sempre com o braço esticado para que a agulha interna não saísse do lugar, mas na verdade não precisa, você pode mexer o braço quando quiser (com cuidado), pois a agulha é de silicone e maleável.

A ANESTESIA

Começo dizendo que é necessário no mínimo 8 hs de jejum. É recomendável que antes de iniciar o jejum você faça uma refeição leve para evitar hipoglicemia no bebê. Antes da cirurgia, você deverá fazer uma entrevista com o anestesista. No meu caso já informei o anestesista que toda anestesia costuma ser difícil de pegar em mim. 

Na hora da aplicação fiquei contente por ser uma médica. Parece que por ser mulher é mais delicada e paciente. Eu tinha escolhido dois anestesistas para meu parto: Dr. Cornelius ou dra. Francine, por indicação e pela delicadeza que eles tratam seus pacientes. Mas como senti contrações antes da hora e precisei adiantar o parto eles não puderam comparecer e quem fez foi a dra. Thaina (acho que é esse o nome dela). Recomendo também.

A anestesia já é feita na maca onde será a cirurgia, pois o efeito não dura por muito tempo e eles devem começar o procedimento logo.

Durante a aplicação você precisa curvar-se bem para a  frente, formando um C com o corpo e pescoço. Isso é bem complicado por causa da barriga enorme, mas quanto mais você conseguir mais fácil será a aplicação e mais rápido acaba. 

Você quer saber se a anestesia dói? Olha, sendo muuuito sincera: Não dói. E olha que eu sou fraca pra dor, hein? A agulha utilizada é fina como um fio de cabelo, apesar de bem longa, e por isso o desconforto que ela causa é mínimo. Claro que você sente aquele "fio de cabelo" entrando nas suas costas, mas além de um incômodo não senti a dor que eu esperava. Também me avisaram que eu sentiria um líquido gelado entrando nas minhas costas, o que não senti. A aplicação durou cerca de 3 minutos, mais ou menos. Garanto pra você que o nervosismo é o pior vilão dessa hora.

Assim que a aplicação termina eles te deitam na maca e começam a verificar se a anestesia pegou. Para descobrir, um enfermeiro passou um algodão com iodo na minha barriga, e eles perguntam se eu estava sentindo.  Eu disse que sim, e eles me perguntaram se eu conseguia sentir se o líquido era quente ou frio. Eu sabia, conseguia sentir. Então a médica pediu para eu tentar levantar as pernas. Eu conseguia. Esperou mais 2 minutos e tentou de novo. Eu ainda conseguia identificar o líquido e levantar as pernas. Mais uma tentativa e eu ainda conseguia. Aí vi que os médicos trocaram olhares e começaram a ficar preocupados com o tempo. A anestesista então abaixou minha cabeça na maca e levantou meus pés bem alto, para que o líquido descesse e talvez fizesse efeito mais rápido. Foi o que funcionou. Após alguns segundos não consegui mais levantar as pernas e não conseguia mais saber se o líquido que passavam em mim era quente ou frio. Isso era o que eles estavam esperando e rapidamente deram início à cesárea. Eu ainda conseguia sentir mexerem em mim, me explicaram que não perdemos totalmente a sensação do tato, só não sentimos a dor.

Dos possíveis efeitos colaterais da anestesia (falta de ar, ânsia de vômito, coceira, etc.), só senti a coceira no rosto. Nada grave, mas coçava tanto que pedi pra anestesista soltar uma mão minha pra eu poder coçar meu nariz.

A CIRURGIA

Depois de aplicada a anestesia é que o marido pode entrar na sala de parto. Eu particularmente preferia que o Junior pudesse estar comigo pra segurar minha mão durante a aplicação, me sentiria muito mais segura e mais relaxada. Mas acredito que muitos maridos podem ficar nervosos vendo a agulha comprida e passem insegurança pra esposa.

Quando o Junior entrou ele ficou do lado de trás do pano, junto comigo, que estava "amarrada" à maca. Depois que começaram foi tudo muito rápido. Senti um cheiro de queimado, que vem do bisturi que eles usam. Depois de uns 5 minutos já chamaram o Junior pra ir lá pra frente pra ver eles tirando ela da minha barriga e tirar fotos.

Ouvimos o chorinho dela (momento mais lindo e indescritível da vida!), então o pediatra levou-a para examinar, e só depois de uns 10 minutos foi que a trouxeram para eu ver. Aqui fiquei um pouco decepcionada. Nos filmes sempre vi colocarem o bebê chorando no peito da mãe, onde ele parava imediatamente de chorar, reconhecendo o cheiro da mamãe. Mas não fizeram isso comigo. Me mostraram ela muito rapidinho, alguns segundos só, depois tiraram nossa foto (essa ali de cima) e já levaram ela embora. Não pude nem dar um beijinho na cabecinha dela, nem encostar meu rosto no dela. Se não tinha nada de errado com ela poderiam ter deixado uns 2 minutinhos, né? Mas tudo bem. Eu estava mais que feliz por ela ser perfeita e ter dado tudo certo.

Então levaram ela para dar banho, vestir a roupinha e conhecer os familiares. O Junior foi junto (eu ainda morria de medo de trocarem ela por outro bebê).

Daí foi só finalizarem e fecharem a incisão, o que deve ter demorado de 20 a 30 minutos.

Quanto a meu medo de trocarem o bebê, o que é feito pra evitar isso é a utilização de uma pulseira, que é colocada na mamãe e no bebê, e ambas têm a mesma numeração, sendo que nenhuma outra pulseira tem esse mesmo número.

NA SALA DE RECUPERAÇÃO

Após a cirurgia fui para a sala de recuperação. Minha bebê não foi comigo imediatamente, ela ainda precisava passar por alguns testes (que vou explicar pra vocês em um outro post). Cerca de meia hora depois ela chegou.

Eles deixam você nessa sala até passar o efeito da anestesia, o que pra mim foi muito rápido. Em menos de meia hora eu já conseguia levantar as pernas (esse é o teste, quando você consegue levantar as pernas e o bumbum da maca já está pronta pra ir pro quarto) em cerca de meia hora. Mas algumas amigas me contaram que ficaram 4 horas ou mais até o efeito passar completamente. Varia muito de mulher pra mulher.

Eles recomendam que você não levante a cabeça para evitar as enxaquecas pós-anestesia, então quando trouxeram o bercinho dela do lado da minha maca eu não conseguia olhar pra ela, só segurar a mãozinha dela.

NO QUARTO

Depois da sala de recuperação a mamãe vai pro quarto, e o bebê vai junto.

Até essa hora não senti dor propriamente dizendo. Aliás, até que saí do hospital não senti dor, a não ser nas horas que saí da cama.

Depois de algumas horas a enfermeira entra no quarto dizendo que você precisa tentar levantar da cama e caminhar um pouco. Essa hora é punk. Dizem que a gente vê estrelas, e é realmente verdade. É uma dor muito, muito forte. Mas essa é a pior parte de todo o processo da cesárea, então quando você passar por ele pode ficar tranquila que o resto é mais fácil.

Outra hora complicada é quando a enfermeira pede pra você tentar fazer xixi. Eu tentei e tentei, mas não consegui. Achava que era só pelo medo de sentir dor, mas depois me disseram que a própria anestesia tem uma substância que "bloqueia a passagem da urina" por um determinado tempo. Como não consegui, a enfermeira precisou me colocar uma sonda. Ela disse que não ia doer, mas doeu sim. Fala sério, como introduzirem um cano na sua uretra não ia doer? Pelo menos é uma dor breve. Algumas horas depois ela voltou e pediu para que eu tentasse novamente, e se não conseguisse iria precisar da sonda de novo. Felizmente dessa vez eu já consegui sozinha.

Quanto a tomar banho foi tranquilo. No segundo dia eu já consegui tomar sozinha e até lavei o cabelo.

Outro medo que eu tinha era quando a enfermeira viesse trocar o curativo. Esse medo era ocasionado por uma outra cirurgia que eu fiz anos atrás onde colaram a fita micropore bem em cima do corte e dos pontos, e cada vez que precisava trocar o curativo era preciso tirar o micropore e doía demais. Na minha cesárea fiquei super aliviada quando vi que o micropore não foi colado em cima da incisão, só uma gaze, e o micropore foi colado nas beiradas externas, só na pele e não no corte. Então pra trocar não doeu nada.

Fora isso é tranquilo. Se não fosse as enfermeiras entrando TODA HORA pra verificar como você está e te dar medicação seria ótimo pra mamãe descansar.

A ALTA

É óbvio que todo mundo quer ir pra casa o mais rápido possível. No meu caso, tive bebê na terça às 15h, e na quarta de manhã meu obstetra me deu alta e o pediatra também deu alta pra Emily. Saímos na quarta à tarde. Mas eles me disseram que foi somente porque estávamos muuuito bem, porque o mais comum é a mãe e o bebê ficarem 48 horas antes de irem pra casa.

CUSTOS

Apesar de ter plano de saúde, ele não cobria obstetrícia, e como engravidei muito rápido (contei pra vocês nesse post aqui) não deu tempo de incluir, então pagamos tudo particular.

- Cirurgião (obstetra): R$ 2.500,00
- Hospital (diária + refeições e medicações para a mãe): R$ 1.350,00 (uma diária)
- Pediatra: R$ 900,00
- Anestesista: R$ 712,00
- Instrumentador: R$ 250,00
- Teste da orelhinha: R$ 90,00

Total: R$ 5.802,00 (Valores para o Hospital da Unimed em Foz do Iguaçu).

A RECUPERAÇÃO EM CASA

Não vou dizer que a recuperação em casa seja moleza, mas não é tão terrível assim. O pior é levantar da cama e se secar após o banho, quando você obviamente vai precisar de ajuda. Fora isso os remédios controlam bem a dor. Você vai sangrar vaginalmente por cerca de 20 dias, é perfeitamente normal.

Aliás, uma dica é usar fraldas (pegue aquelas bem baratinhas que você ganhou no chá de bebê) como absorvente, porque vão absorver uma quantidade maior do que um absorvente, mesmo sendo do tipo noturno. Eu segui o conselho da minha cunhada e levei para a maternidade, foi ótimo.

Mesmo com a dor e a limitação dos movimentos dá pra cuidar do seu bebê, viu? Claro que você não vai fazer maiores esforços, mas não pense que vai ser preciso deixar o pequeno nas mãos de outra pessoa até que você se recupere totalmente. Só peça ajuda pra preparar o banho, pegá-lo no berço (nos primeiros 2 ou 3 dias) e essas coisas.

Tanto na maternidade quanto em casa evite conversar muito e principalmente dar risada. Além de doer por causa da incisão permite a entrada de muito ar, o que vai causar gases. E acredite em mim, isso dói MUITO MAIS do que o corte e os pontos.

Depois de uma semana você já vai se sentir praticamente normal novamente.

E uma boa notícia é que alguns médicos fazem o fechamento do corte somente com pontos internos e uma cola cirúrgica, então não tem que tirar os pontos depois. O meu foi assim e eu dei graças a Deus! (morro de medo de tirar pontos também.)

Espero que essa descrição da minha cesárea ajude as mamãezinhas que vão passar por esse tipo de parto a se prepararem e ficarem mais tranquilas, porque mesmo sendo uma cirurgia, pra mim é muito mais preferível ao sofrimento do parto normal, eu faria novamente e recomendo para todas que me perguntam. Fique tranquila que vai dar tudo certo e uma semana depois você já vai estar novinha em folha curtindo seu bebê.

Beijo beijo.

Preparativos - a bolsa do bebê para a maternidade

Sempre fui (ou pelo menos tento ser) bem organizada, e gosto de me preparar com antecedência para tudo. Não poderia  ser diferente com a preparação da mala da maternidade.

Comecei a fazer a malinha da Emily com 33 semanas de gestação, mas só terminei com 37, porque mudei de idéia sobre que roupinhas levar umas 3 vezes.

A versão final ficou assim:

Como meu parto seria cesárea, estava programando que ficaria uns dois dias no hospital.Então separei seis kit de roupinhas e embalei cada kit separadamente, com uma identificação para facilitar na hora de pegar a roupinha que eu queria que vestissem nela (é importante lembrar que você vai precisar da ajuda das enfermeiras ou do marido nas primeiras trocas de roupa, principalmente se você fizer cesárea).  Cada kit tinha: - Um body de manga comprida (é sempre bom ser manga comprida, mesmo que seja verão, pois na maternidade geralmente o ar condicionado está ligado e os bebês sentem um pouco mais de frio do que nós, porque saem do útero onde era bem quentinho);- Um macacão (de preferência de um tecido confortável, lembre-se que seu bebê acabou de nascer e não está acostumado a usar roupas ainda. Deixe aquela roupa cheia de babados para ele usar em outra oportunidade); - Um par de meias. * Não levei luvinhas, porque achei que não seria necessário, e me arrependi MUITO! Geralmente os bebês já nascem com as unhas bem compridas, e se arranham muito no rostinho. Com a Emily aconteceu isso, e pra evitar eu colocava as meias nas mãozinhas. Os seis kits que separei pra levar foram:- uma roupinha para o nascimento- uma para a primeira noite (pijaminha)- três roupinhas extras, uma de cada cor- e uma roupinha pra sair da maternidade, com uma mantinha combinando* Meu parto foi às 15h, e como tanto eu quanto a Emily nos recuperamos muito bem, ganhamos alta no outro dia por volta desse horário, então ela só usou três das seis roupinhas que levei. É importante lembrar que cada roupinha lavamos com sabão de coco e sem amaciante, pra evitar alergias no bebê.  Além das roupinhas, levei também:- dois pacotes de fraldas, um tamanho RN e um P, já que não sabia exatamente de que tamanho ela nasceria. (No final ela nasceu com 3,2 kg e só usou o RN.) - um cobertor (ela nasceu na primavera, estava bem quente, e mesmo assim ela usou no bercinho o tempo todo) - pomada Bepantol Baby* Não precisei levar algodão, cotonetes, álcool nem sabonete líquido, pois já tinha me informado com a maternidade e sabia que esses detalhes eles forneceriam. E vocês, futuras mamães, já prepararam a malinha do bebê? Beijo! 



Preparativos - bebê conforto e carrinho

Depois do quartinho, que mostrei aqui, o que eu mais queria comprar era o bebê conforto e o carrinho.

Primeiro compramos o bebê conforto, pois precisamos dele pra sair com o bebê do hospital no carro.

O carrinho compramos depois, já que demora pelo menos um mês pra usar (pelo menos aqui em casa foi assim, porque no começo eles são muito pequenininhos e ficam mais confortáveis no bebê conforto.) E também porque no primeiro mês a gente evita sair muito com o filhote, especialmente para longos passeios.

Depois de muito pesquisar, inclusive no Paraguai (onde vimos que não compensava), compramos ambos na Maria Fumaça Kids, uma loja infantil muito boa aqui de Foz.


Os dois são um conjunto vendido separadamente, da marca Kiddo, cor cappuccino. Queríamos uma cor neutra, primeiro pra fugir um pouco do rosa e também pra não brigar com as roupas coloridas que quero vestir na Emily. :)

Pagamos R$ 250 no bebê conforto e R$ 730 no carrinho.

O carrinho é exatamente o que eu estava procurando. Não é um trambolho, passa facilmente pelas portas de casa e também é perfeito na rua, não emperra nem nada. E a maior vantagem é por ser dobrável e ficar bem pequeno, cabendo tranquilamente no porta-malas do carro, e é muito leve.

Fiz um videozinho pra mostrar como ele fecha.

video

Vale muito a pena, estamos 100% satisfeitos e recomendamos muito.

Beijo beijo. 

Preparativos - o quartinho

Acredito que desde que a mulher descobre que está grávida uma das prioridades é preparar o quartinho do bebê.

Li que isso vem de um instinto materno chamado em inglês de "nesting", que significa "fazer ninho". Assim como todas as fêmeas da natureza, nós mamães nos preocupamos em preparar o local que vai receber o filhote.

O meu aflorou desde que eu recebi a confirmação da gravidez. Por mim já teria começado os preparativos no mesmo dia. Ainda bem que meu marido é pé no chão e me convenceu a esperar e a fazer tudo com calma e planejamento. rs.

A primeira fase da preparação do quarto de bebê foi retirar todos os móveis do quarto onde nessa época ainda era uma sala de tv. Você tem várias alternativas sobre o que fazer com eles, no nosso caso decidimos vender tudo pra ajudar a levantar a verba para o que precisaríamos comprar. Uma coisa que nos ajudou muito nisso foi o Facebook. Anunciamos num grupo aqui da cidade chamado "Compro, Vendo, Alugo, Faço Doação em Foz do Iguaçu", onde postamos as fotos e valores e conseguimos vender tudo rapidinho.

Depois veio a pintura. Fizemos um orçamento com um pintor profissional e ele cobrou os olhos da cara. Então descartamos essa possibilidade e o Junior mesmo pintou tudo, com a ajuda de um colega de trabalho, a quem pagamos pelo help, mas ficou bem mais em conta do que ficaria o pintor. Uma dica é você já aproveitar que vai pintar o quarto e aproveitar pra pintar tudo aquilo que estava precisando de uma tinta na casa. No nosso caso, pintamos também todas as portas do apartamento e o teto do banheiro. Assim a bagunça acontece de uma vez só. (E que bagunça! Pó e cheiro de tinta que parecem que não acabam mais!).

E falando em cheiro de tinta, isso é bem prejudicial ao feto que está se desenvolvendo na sua barriga. Coloque um pano molhado na fresta da porta do seu quarto e um ventilador ligado no máximo para evitar sentir muito o cheiro forte. Se puder passar menos tempo em casa nessa fase, melhor ainda. Passar uns dias na casa da mãe, por exemplo, seria bom.

Sobre a escolha da tinta, recomendo que você não use cores muito fortes, que são cansativas para o bebê. Ou se usar, que seja em uma parede só ou um pedaço pequeno de parede, pintando o resto com cores mais claras.

Eu, particularmente não queria o quarto todo rosa, como muitas mamães gostam. Nada contra, só queria variar um pouco do tradicional rosa para meninas e azul para meninos. Escolhi o lilás. Aliás, escolher somente a cor exata que você quer não é das tarefas mais fáceis. Recomendo que você imprima uma imagem ou foto com o tom que você quer e leve para a loja na hora de comprar a tinta, para evitar chegar em casa e descobrir que comprou uma cor mais escura do que planejava.

Depois disso feito é a hora de escolher o papel de parede ou adesivo, se quiser complementar a pintura. Eu optei por um adesivo de parede, que eu fiz o rascunho como queria e encomendei a arte.

Com mais essa etapa finalizada compramos os móveis. Também não foi muito fácil, pois o quarto não era muito grande, e ficamos um pouco indecisos sobre que móveis seriam imprescindíveis. No final escolhemos um berço, uma cômoda e um guarda-roupa. Muita gente disse que não precisaria de guarda-roupa, mas hoje fico feliz que compramos, pois na cômoda cabem só as roupinhas e sapatinhos, e no guarda-roupa ficam os vestidinhos pendurados, cobertores, lençóis, mantas, toalhas, fraldas, etc.

Antes de comprar medimos tudo e montamos modelos com jornal, para testarmos no espaço do quarto. Nessa hora não esqueça que os móveis precisam não somente caber no local, mas permitir um bom espaço de circulação. Inclua nas medidas o espaço para a abertura das portinhas e passagem de pessoas.

Nossos móveis compramos na Canaã Baby, uma loja de fábrica que faz promoções mensais de jogos de quarto. Vale muito a pena. Compramos bem cedo na gravidez pra aproveitar uma promoção imperdível.


                                                                    Berço, cômoda e adesivo de parede 

Depois do quartinho pintado, adesivo colocado e móveis entregues, fui atrás dos detalhes. Encomendei o kit higiene, os quadrinhos e o enfeite da porta com a loja Pettuti Bebê. A Fabi é uma fofa, fez tudo exatamente como sonhei e ficou tudo mais lindo do que eu esperava.


Kit higiene

Uma das últimas coisas que fiz foi encomendar os nichos da parede. Comprei numa loja de artesanato três nichos brancos de tamanhos diferentes (acho que são de MDF). Levei pra eles um pouco da tinta da parede lilás que sobrou para fazer os detalhes das bordas.

Nichos

Compramos também uma poltrona de amamentar com balanço e encomendei um trio de quadrinhos também com a Fabi, pra dar um toque a mais no lugarzinho onde eu ia amamentar minha pequena. 


Guarda-roupa, poltrona e trio de quadrinhos

E a última coisa que a Fabi fez pra mim (sim, se eu pudesse encomendaria mais coisas, mas não tinha mais onde colocar nada. rs) foi o enfeite da maternidade, que depois foi pra porta do quartinho dela. 

Enfeite de porta da maternidade

E esse é o nosso quartinho. Dá trabalho, mas é um trabalho delicioso! Planejar tudo com muito amor é uma das maiores alegrias da gestação. E eu garanto pra vocês que dá pra fazer um quartinho bem fofinho sem gastar muito dinheiro. É só pesquisar bem, com calma e saber o que você quer. 

Espero que tenham gostado. 

Beijo beijo! 

Porque sumi: agora sou mamãe

Verificando a data da última postagem do blog, me assustei ao ver que foi no dia 26 de fevereiro.

Não por acaso foi logo antes de descobrir que estava grávida!

Como quase toda mulher, ser mãe sempre foi meu grande sonho. Mas os anos passavam, eu já estava com quase 30 anos e percebia que realizar esse sonho não seria tão fácil. Relacionamentos longe de perfeitos, empregos instáveis e condições financeiras dificultavam e prolongavam essa decisão.

Quando conheci o Junior no trabalho, em março de 2010, uma luzinha se acendeu lá no fundo, pois ele era tudo que eu sonhava para pai dos meus filhos. Além de lindo (quem não quer um pai lindo pra produzir filhos lindos, néam?), ele era engraçado, carinhoso, confiável e mais um milhão de outras qualidades, e me apaixonei perdidamente logo de cara.



























O namoro deu certo de cara, logo estávamos morando juntos e em dezembro de 2012 nos casamos.


Um mês depois do casamento, em janeiro de 2013, começamos a pensar em tentar engravidar. Como histórias de casais que levam um ano ou mais antes de engravidar são comuns, decidimos começar as tentativas, imaginando que na melhor das hipóteses em alguns meses teríamos sucesso. 

O que não imaginávamos era que não seriam "alguns meses". A partir do momento que decidimos começar, a próxima menstruação já não veio, e naquele mesmo mês tínhamos encomendado nosso tão sonhado bebê! 

A gravidez foi linda, muito tranquila e normalíssima.



E assim, nesse dia 08 de outubro, nasceu a estrela mais brilhante da minha vida: Emily. 

Emily com 2 dias de vida

Com essa mudança na minha vida, essa virada de 180 graus, meu blog de maquiagem ficou em segundo plano. Uma pena, pois várias oportunidades estavam surgindo, várias portas se abrindo. Mas esse era o MEU momento, o NOSSO momento, e eu precisava curtir e viver tudo intensamente. 

Agora, quatro dias depois, percebo que já aprendi muita coisa, a maioria na base da tentativa e erro. 

E foi pensando nisso, em todas as coisas que eu gostaria que tivessem me dito, que decidi compartilhar essas dicas aqui no blog. Não que eu seja nenhuma expert no assunto (quatro dias, né gente?), mas assim como foi com a make, gosto de ir aprendendo junto com vocês. 

Espero que vocês gostem desse novo assunto por aqui. 

Beijos meus e da Emily. 

Demaquilante Bifásico L´Oréal

Comprei essa semana no mercado o demaquilante bifásico da L´Oréal pra testar.

Ele remove rapidinho toda a maquiagem, inclusive as máscaras de cílios a prova d´água mais resistentes.A embalagem diz que não deixa a pele oleosa, mas a minha ficou sim, então não dá pra deixar de lavar com sabonete líquido depois, para retirar todos os vestígios do produto (aliás, você sempre deve lavar o rosto depois de usar qualquer demaquilante). Outra coisa que gostei é que a abertura por onde sai o produto é bem pequenininha, evitando o desperdício. Paguei R$ 24,00, e acho que é o menor valor que já paguei num demaquilante. Vale muito a pena.
Resenhas de outros demaquilantes: Demaquilante bifásico Vult  Bi-fácil (Lancôme) x Take the Day Off (Clinique)
Beijo beijo!!  

Domingo é dia de spa em casa!

Domingo é um dia que eu procuro tirar um tempinho pra cuidar de mim: cabelo, rosto, corpo, pele, dentes, boca... quanto mais, melhor.

Esses são alguns dos produtos que tenho usado bastante:

1. Sabonete Líquido Corporal Esfoliação Suave Dove: Sempre começo a sessão spa com um bom banho morno, esfoliando suavemente o corpo todo. O cheirinho é bem gostoso e as partículas esfoliantes são pequenas, para não agredir muito a pele. 

2. Gel facial esfoliante Higiporo: Depois de esfoliar o corpo, passo para a esfoliação do rosto. Esse produto é muito bom, só um pouquinho já rende muito. É importante não esfregar com muita força, a pele do rosto é muito delicada.

3. Shampoo Anti-Resíduos Nielly Gold: Depois vou para o cuidado com os cabelos. Antes de uma hidratação, use sempre um shampoo anti-resíduos, para tirar todos os vestígios de élos, leave-ins e etc, e assim permitir que a máscara faça mais efeito.

4. Máscara de Hidratação Capilar Moroccanoil: Essa máscara é ótima, fiz resenha dela nesse post aqui. Deixa o cabelo super macio. Pode ser usada 2x por semana para casos mais críticos, e depois de melhorar somente 1x por semana.

Quando saio do banho passo um hidratante corporal, mas essa semana o meu na Natura acabou, então não tenho foto pra mostrar pra vocês. Mas adoro passar creme no corpo.

5. Polpa Hidratante para Pernas e Pés Açaí Natura Ekos: Esse creme é bem concentrado. Adoro, porque me dá a impressão de hidratar mais profundamente e por mais tempo. Demora um pouquinho pra secar, mas eu nem ligo.

6. Tiras Branqueadoras 3D White: Depois passar todos os cremes no rosto e no corpo, aplico uma tira branqueadora nos dentes. É ótima, não dói e dá ótimos resultados. Deixo por 30 min.

7. Máscara Esfoliante para Lábios Satin Lips Mary Kay: Esses são os dois últimos passos antes de ir dormir. Esfoliar os lábios com extrema delicadeza, com movimentos circulares.

8. Balm Hidratante para Lábios Sabor Baunilha e Menta Mary Kay: Por último aplicar o balm hidratante na boca e ir deitar, pra deixar fazer efeito durante a noite toda. Resenha aqui.

Vamo combiná, que mulher não gosta de começar a semana bem cuidada, de unhas feitas, cabelo tratado e pele bem cuidada? ;)

Beijo beijo! 

O Blushing Girls quer conhecer você!

Tantas leitoras passam por aqui todos os dias, e estive pensando que não sei nada sobre vocês. Não sei o que vocês mais gostam no blog, o que gostariam de ver mais por aqui, o que não gostam...

Foi pensando nisso que resolvi criar uma enquete, com perguntas muito simples e rapidinho de responder. Para manter a privacidade de cada uma não é necessário informar o nome.

Só peço que respondam a enquete somente uma vez.

Com essas informações espero melhorar cada dia mais e deixar o Blushing Girls com o jeitinho de cada uma de vocês.



Clique aqui para responder a enquete

Obrigada pela participação! :D
 

Blushing Girls Copyright © 2011 Desenvolvido por IB Sistemas